Páginas

domingo, 25 de maio de 2008

Passei de 100 visitas! uhuuu

Gente, eu fiquei muito feliz ao ver o contador marcar 100 visitas. Eu tava pensando em excluir o blog, mas resolvi ficar mais um pouco e juro que nem é pelas 100 visitas, mas porque é bom treinar de certa forma os textos.
Percebi que muitos blogueiros sofrem por ninguém comentar em seus blogs, e achei um texto bem engraçado sobre isso. Vejam só:

Título: Comentários e os cliques na publicidade estimulam os blogueiros.

Os comentários, além de massagear o ego, mostram se o conteúdo está agradando aos leitores (será?). Excelentes blogs tem um número de comentários que julgo baixo, porque será? O conteúdo não agrada? Seria a forma de como está escrito os posts? Os leitores não tem tempo? Todos concordam em todos os pontos levantados pelo autor?!
Fonte: Blog do Fran

Mesmo sem comentários, os blogueiros devem continuar pois o marcador mostra que há visitas!

domingo, 18 de maio de 2008

O amor não tira férias



Se tem um tema completamente esgotado, é o amor. Por isso, torna-se muito mais difícil tratar de um assunto assim; tão comum à todos. É preciso ter um olhar diferenciado para falar mais uma vez de amor, mais umas duzentas mil vezes. Acho que Nancy Meyers consegue em “O amor não tira férias”. Definitivamente admito, consegue, pois o amor não tira férias mesmo. Uma visão simplória e divertida do amor pode ser a dose certa para o sucesso desse roteiro, divertidíssimo e ao mesmo tempo triste. Afinal, o amor é um mal necessário.
Iris Simpkins (Kate Winslet) é uma jornalista solitária que escreve uma coluna social. Sofre por um amor não correspondido há três anos e durante a festa de Natal da empresa, descobre que seu amado vai casar.
Amanda Woods (Cameron Diaz) é uma produtora de trailler de cinema bem sucedida e descobre que foi traída por seu namorado. Revoltada, resolve mandá-lo embora como sempre faz em seus relacionamentos, joga fora como se fosse algo descartável e consegue ser forte ao ponto de não derrubar lágrimas. 
A vida de Iris e Amanda se encontram através da internet, quando Amanda revolve procurar um lugar para passar umas férias. A casa que ela escolhe é a de Iris, que está disponível em um site de intercâmbios de casas. 
Então, compartilhando do mesmo sofrimento, só que de maneiras diferentes, elas viajam em busca de esquecer o passado triste e amargurado por culpa do bendito amor. A personagem de Iris desperta a atenção do telespectador, quando passa através de seus olhares, a angustia vivida por ela, trazendo à tona a amargura causada por esse sentimento vivido por todos reles seres humanos. Iris nos faz sentir sua dor através de sua ótima atuação.
Em Los Angeles, Iris conhece um ex- roteirista que vive ao lado da casa de Amanda e devolve para sua vida o brilho e a felicidade de ser lembrado novamente como uma grande pessoa que um dia fez sucesso.
A vida dessas duas apaixonadas tomam rumos inesperados e o objetivo que ambas tem em comum, pode escapar de suas mãos.

terça-feira, 6 de maio de 2008

Oww vida de cão!

Lembram dessa série? Minha vida de cão. Nossa eu adorava. Agora me pergunto, olha como eu começo esse texto: lembram dessa série? Parece que estou conversando com meus leitores. OK, não posso reclamar desse inabitável blog, afinal não divulguei ainda para ninguém.
Voltando a vida de cão, ainda não sou uma Jornalista, mas na vida de estudante, já posso imaginar que puta vida de cão é isso! O entrevistado só tem aquela hora danada para lhe responder, você que se vire para adaptar ao seu horário. OK, como ainda é estudante, saia correndo do trabalho para ao menos ler a respeito do assunto a ser tratado, falte na aula de inglês e vá; vá fazer a entrevista para o jornal da fuckldade. Chegando ao local combinado, depare-se com a perguntinha famosa? Vai demorar? Só tenho 15 minutos! Você mais que depressa senta e manda bala, dá um rec no gravador e ele falha. Opss brincadeirinha, aí seria demais para um dia só.

domingo, 4 de maio de 2008

Aff

Meu Deus, eu quase desisto! Foram várias tentativas de nomes, todos já existiam. Até aqueles mais bizarros que eu imaginei que nunca ninguém colocaria. Escrevia e logo aparecia: Esse nome não está disponível.
Como vocês podem perceber, a minha paciência estava quase a se esgotar, então coloquei esse nomezinho engraçadinho e breguinha. Mas ufaa, estava disponível. Antes que eu desistisse de tudo, aceitei esse mesmo.
Bom, mas voltando ao estado normal, eu já tive vários blogs, nenhum deu certo pois eu desisti de todos. Me animei novamente depois que assisti ao Happy Hour do GNT, cujo o tema era Geração Blog. Pensei comigo: poxa vida isso parece ser legal, o triste é quando ninguém entra e nem seus amigos comentam, mas enfim, resolvi tentar novamente.
Visitei alguns blogs que foram indicados no programa, como o SublimeSucubus, e achei muito legal. Aí acabei visitando outros como o NossoBlogue, super divertido.