Páginas

sábado, 26 de setembro de 2009

Narrativas de vida quase real

Horário de pico - 18:30, quinta-feira, 24 de setembro, Santos - Estou de pé no ônibus que me deixará na divisa de São Vicente. Como esses ônibus intermunicipais são sofríveis. Minha mochila deve estar pesando uns 10 quilos neste momento, igual a do PVC. São várias tranqueiras e uns cinco exemplares da nova edição da revista que trabalho. Estou cansada e com fome e por isso, não quero papo.
- Faz tempo que você pegou o ônibus?
- Não muito
- Nossa, tá cheio né?
- É
- Mas você entrou nesse ponto?
- Não. Três pontos atrás.
- ahhhhhhh tá!
- Nossa, seis e pouco. Não é fácil viu. Eu trabalho o dia todo. Cuido de um velhinho de 87 anos. Ele é policial aposentado. Teimoooooooooso! Ele tem Alzheimer. Hoje eu subi para arrumar os quartos e deixei ele lá embaixo na cozinha. Aí ele subiu e falou: "Olha, essa casa não é sua pra você ficar mandando não". É muito humilhação né?
- É
- Esses dias ele queria ir no banco. Cismou que o banco ficava na Francisco Glicério. Eu deixei, até ele cansar. Não posso pegar no braço dele, sabe? Tenho que deixar a mente dele ir, até onde dé.
- Ele mora sozinho?
- Não. Tem uma velha chata e amarguraaaaaada!
- Ah
- Olha o que eu tenho que aturar! E sabe quanto eu ganho? 500 reis! Na verdade, juntando com a condução dá uns setecentos e pouco. Eu sou auxiliar de enfermagem. Tem gente que eu conheço que ganha mil reais e nem fez o curso. Eu trabalho das 9 às 18 e sábado também. Nossa... só pobrema!
Agora eu to achando que a filha deles quer me mandar embora. Andei ouvindo umas coisas, sabe? Eles mal sabem que é um favor que eles me fazem. Ahhhhh eu livre disso tudo, desses pobrema. É muito humilhação.
- É mesmo
- Olha, eu tenho uma pessoa, sabe? Você chega em casa e nem recebe um carinho. Mas a gente se entende até. Ele fica na dele e eu fico na minha. Mas agora eu vou ter uma recompensa.
- Ah é?
- Éhhhh! Um jogador aposentado do Benfica, de 50 anos quer que eu vá para Portugal. A gente se fala pelo MSN
- É mesmo? Que legal!
Dou sinal. Chegou meu ponto.
- Olha, boa sorte pra senhora, viu!
Ela coloca a mão no meu ombro e diz animada:
- Obrigada! E dá um sorriso de satisfação

13 comentários:

brunofn85 disse...

gostei da narrativa!!!
coisas do cotidiano, bem legal

Liliam Silva disse...

Cotidiano... riquezas num cenário do dia-a-dia....
Jogador do Benfica? Real or fake?
Essa história é verídica ou tem pelo meio fantasia?

Jeff_Santos disse...

Perdi-me no meio, depois voltei e finalmente consegui concluir a leitura. Isso que dá fazer mil coisas ao mesmo tempo, estou no Blog, escrevo um mail, vejo umas fotos e falo com o meu irmão no MSN. É horrivel o transporte publico mais fazer o que? Temos que pensar no futuro do planeta, é verdade, meu esta enfermeira não se cala?
Coitado o velho tem, bom não sei como escrever o nome da doença.... Bom jogador do Benfica!!!! Duvido ela vem para cá, e vai ser PUTA!

Érika Pereira disse...

Gente, é verídica! Juro!
O título "Narrativas de vida quase real", é uma brincadeira. É porque eu quero criar essa categoria para escrever umas histórias do cotidiano, porque não sei o que acontece: é muito comum as pessoas na rua começarem a me contar umas histórias. Acho que eu passo confiança com essa minha carinha de anjo. rsrs

regina disse...

KKK carinha de anjo? Que nada, vc simplesmente dá o que todos procuram de forma maluca... "atenção"!!! Muitas vezes perdemos oportunidade de aprender com os relatos dos outros, sempre há coisas que nos acrescentam. Vc é uma boa ouvinte. E as pessoas estão necessitadas de comunicação verbal. Adorei a idéia de escrever sobre coisas do cotidiano. Tem muita coisa acontecendo, cada indivíduo tem sua história, portanto há riquezas perdidas por aí, basta direcionar os olhos para o outro e escutá-lo.Dá prá escrever um livro...

Liliam Silva disse...

O Jé exagerou.... kkkkkkk!
Sabe Érika que tem um condutor de eléctrico (bondinho) de Lisboa, que tbm decidiu ter um blog com relatos do cotidiano do trabalho... foi relatando e criando personagens de histórias que ouvia, ou de situações passadas.Como a Regina disse, aprendemos muitas vezes ao ouvir estes relatos. Claro as x não há paciência para ouvir certas histórias e pessoas. Temos que estar com disposição!

Érika Pereira disse...

Verdade! Se não ficarmo à disposição, perdemos a chance de contar boas histórias!

Jeff_Santos disse...

Tenho que dar a mão a palmatótia, confesso que exagerei em dizer aquele nome. Mas é verdade o que uma pessoa vem fazer aqui? trabalhar na casa de um jogador do benfica reformado, pera lá essa é forte. Ela deve ser muito boa, o cara quer traze-la! Ou muito burra. Vou dizer o que eu penso destas conversas, eu não falo com quem eu não conheço, não estou habituado a isso, mas mesmo assim ouço, por vezes é sempre a mesma coisa, doenças, traições, na maior parte das vezes ouço. E chego a conclusão que estas são pessoas solitarias e que precisam de falar.

Anônimo disse...

Claro que nem tudo se aproveita, mas muitas vezes deixamos de acrescentar algo bacana em nossa vida, por não ouvir o outro. Nem todos os dias estamos com disposição prá isso, mas certas oportunidades são únicas...Saber escutar é um dom prá poucos. Pessoas carentes de atenção valorizam cada palavra que vc disser acredite...

Liliam Silva disse...

Aí eu concordo Jé. Há pessoas k já sabem para o k vem, e querem. Mas há mts sem informação e se deslumbram kdo tocam na parte de $$$$$.
Os assuntos são os mesmos, pois kdo estamos carentes falamos dos problemas não é, seja conflito de casal, trampo mal pago, doenças.....
E as x preferem desabafar com um estranho, ou para ouvir outra opinião acerca do assunto, ou por querer se livrar daquele desespero....
Quem não ouve estas conversas?
Cá em Portugal é impossível não ouvir. Principalmente os habitantes da aldeia, que em geral falam alto, e sabem da vida de todos! kkkkkkkkkkk

regina disse...

Só em Portugal falam alto e sabem da vida de todos? Que nada no Brasil isso tb acontece.Mas acho que os portugueses são mais dramáticos, melancólicos... sempre veem o lado ruim da coisa, o que faz com que as pessoas nem parem prá escutar, não é mesmo?

Érika Pereira disse...

Ora, aqui na rua doze, lugar onde moro no qual vocês também já moraram um dia, tem um monte de fofoqueiro também!! Lembram? rsrsrs

Liliam Silva disse...

Nossa em toda rua há um fofoqueiro. Lembro-me do prédio em que vivi, e havia a fofoqueira crente fervorosa numa ponta, que dizia que tudo era do diabo e interferia nas nossas brincadeiras, e a na outra ponta a fofoqueira que não gostava que brincasse na porta dela. Esta ainda está viva e controla a vida de todos os vizinhos... estive no Brasil e ela me atualizou, e eu soube até da vida de quem não conhecia o focinho....