Páginas

domingo, 11 de outubro de 2009

Amor Platônico

Mesmo que não esteja, perto o coração dispara só com o simples pronunciar do nome. Mesmo sem nunca beijar, sentimos o gosto. Mesmo sem nunca ter tido, sentimos saudades.
Como se só o amor sozinho não bastasse, por causar maremotos e destruição em massa, ainda inventaram um tal de amor platônico.
Alguns dizem que o senso comum se encarregou de roubar a nomenclatura e entendimento errôneo da filosofia de Platão, para definir aquele tipo de amor que sentimos por alguém que nunca tivemos. Um amor perfeito e idealista que criamos e imaginamos o outro um ser primoroso.
Aquele que serve para ser o pai dos filhos, aquele que por convicção nossa, ou simples achismo, é inteligente, bem humorado, bonito, sensual e nem é pão-duro! É com ele que passamos as noites em claro, ou quando conseguimos dormir, ele invade nossos sonhos. É por ele que escrevemos poemas, e é ele que nos faz suspirar; aquele suspiro de garota apaixonada que aparece nos finais de novela.
Se Platão caiu de pato nessa história, eu não sei - não tive tempo de ir ao Google. Mas se fizermos um esforço e lembrarmos das aulas de Filosofia, talvez a definição não seja tão equivocada.
Afinal, o que mais fazem aqueles que amam platonicamente, do que projetar as sombras e acreditar que é somente essa realidade que existe? Nós, literalmente quando vivemos esse tipo de amor, damos as costas para o mundo, não olhamos ao nosso redor e acreditamos que se não for com aquela pessoa, não será com outra que se conhecerá o que de fato é felicidade.
O pior, ou melhor, é que todos já sentiram um dia, ou se ainda não sentiu, não se desespere, pois não existe idade, e nem prazo de validade. Dura, dura muito!
É mais fácil esquecer um ex-namorado, do que esquecer um amor platônico. E sabe por quê? Por que conhecemos de traz para frente os defeitos de um ex. Lembramos com amargura cada “pisada na bola”, cada palavra ofensiva, cada presente sem graça, cada transa ruim... Agora, um amor platônico é belo, é perfeito. Por mais que tentamos, não conseguimos enxergar um só defeito. Nesse tipo de amor, colocamos o ser amado, como se fosse até melhor do que nós mesmos. Com ele, missa de domingo vira programa, Zorra Total fica engraçado e até série D vira Copa do Mundo. O dia fica azul, pimenta fica doce e goiabada vira sobremesa!
E é exatamente por tudo ser perfeito, claro, como nós idealizamos, é que demora ainda mais para passar. Meses, anos, décadas... Alguns acreditam até que nunca esquecemos, porque sempre ficará o gostinho de “e como teria sido?, “quem me dera”, “e se...”.
O triste do amor platônico, é que as recordações permanecem só na memória. Não há presentes guardados, nem bilhetinho de bala, nem fotos, nem música, nem sabor...
Como podemos amar se nunca tivemos? Lamento em dizer, mas neste tipo de amor, não há um ser superior, dono de conhecimento e super evoluído que solte suas amarras, para te livrar dessa triste escuridão e levá-lo para a realidade.

14 comentários:

Jeff_Santos disse...

He he, vou falar o que eu penso e o que eu acho em relação a isso... Vou falar na 1ª pessoa para ti!!!!
O anos passam e as coisas mudam acho que faz parte da evolução, aprendemos sempre só não aprende quem não quer, outro dia estava a pensar em nós! Isso nós, em todos nós, vejo os meus amigos cresceram, amadureceram, hoje são mulheres, homens, com ideais, ideias, fico feliz por tudo isso. Mas também fico triste quando os vejo sofrer, mas paro para pensar; eu não posso estar em todos os lugares ao mesmo tempo, eu não posso estar ali para levanta-los depois da queda. O teu texto é lindo, falo isso não porque seja teu fã, conheces-me bem e sabes que se eu não gostasse dava um jeitinho de dizer. Podes ter a certeza eu amo o teu texto adoro a tua escrita, nunca pensei que a menina que tocava violão na rua doze, e usava uma trança torna-se ia nesta pessoa! Mas nem tudo é lindo é triste ver que algumas coisas não mudaram.
Não sei o que dizer ou melhor não sei como falar, também se tiver que fazer faço, mas não aqui.
Força sai desta.

regina disse...

Difícil heim!!! Mas não seria melhor compartilhar com a outra parte? Seria ele uma pessoa tão inatingível assim? Pelo menos vc ouviria o que o outro tem a dizer, e até ficaria com "raiva" dele, por não tomar atitudes, assim diminuiria um pouquinho essa esperança. Quem nunca viveu um amor assim? Quando meninas nos apaixonamos por um professor, e ele nem sonhava com nossos sentimentos... Mas isso passa e fica aquela lembrança gostosa.
Mas na fase adulta, isso se complica, pois já não temos tantos sonhos, já vivemos outras experiências, o que torna ainda mais complicado. Mudar o foco seria a solução, mas claro que não é fácil. Então vá seguindo calada, sofrendo, mas não deixe de viver, curtir, dar oportunidades prá que a pessoa ideal se aproxime. E esse "amor impossível" perca a chance de viver uma experiência linda, pois foi um fraco, ou mesmo um alienado que não percebeu o que estava ali na sua frente.

Érika Pereira disse...

Fiquei emocionada com as palavras de vocês.
Mas calma, é apenas uma crônica! rsrs

Liliam Silva disse...

Ihhh toda gente pensou que este texto era o lado pessoal da Érika... rsrsrsrsrs! Texto formidável! Filosófico, irônico, sonhador, que nos faz refletir e ir ao passado. Se calhar a Érika até fez uma releitura de algo que passou, e juntou outras histórias que tantas ouviu e leu.
Amor platônico: gostoso e bobo! Histórias loucas. Vemos situações que não existem. Às x esquizofrênico! Rs.

Regina disse...

Perfeito!!! Um crônica, que certamente poderia ser real... prá qualquer um de nós... portanto, nada melhor do que viajar contigo na idéia... bjus!!!

Jeff_Santos disse...

Como é de costume quando estou em casa acordo as 7:20 hs para tomar o pequeno almoço com o meu amor, é habito sempre que estou em casa tenho a televisão ligada no canal de noticias, bom e desde a esta hora é que vejo a repercussão da infeliz matéria feita pela actriz Maite Proença. Sempre achei que a maior parte destas pessoas fossem dotadas de alguma coisa, educação já sabíamos que não, agora falta de cultura é ridiculo. Ela ridicularizou os Portugueses e brincou com a historia deste País, estamos a falar de uma profissional da comunicação que apresenta um programa de televisão com mais algumas vacas (os animais que me desculpem), todas elas profissionais naquilo que fazem. Fico admirado com a ausência de um pedido de desculpas, o mínimo que a Rede Globo de televisão poderia fazer era despedi-las e sem falar no pedido de desculpa! Ando na internet agora a procura de todos os abaixo assinados que existem e não são poucos.
Sorry mas ela foi mesmo uma...........

Jeff_Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Érika Pereira disse...

Não estava sabendo disso. Mas protesto: a Maite Proença e algumas outras podem até serem umas chatas, mas a Márcia Tiburi é maravilhosa! Inteligentíssima
O resto fala merda mesmo, principalmente a essa tal de Maite

Liliam Silva disse...

Ai sempre chego depois....rsrsrsrsrs queria ler o que foi removido. O que declarou a Maitê Proença? Qual foi a proeza?

Érika Pereira disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk adorei o trocadilho.
Mas quem será que deletou o recado?

Jeff_Santos disse...

Fui eu era a repetição do outro.! Estavam iguais.

Liliam Silva disse...

Ahhh... eu dps encontrei na net o tal vídeo. Sem noção do ridículo. Não era informativo e nem humor, ficou em terror. Ficou muito feio pra ela. E para as outras que no final do programa deram muitas gargalhadas, como se aquilo tivesse piada. Gostava muito daquele programa quando tinha a Rita Lee, a Fernanda Young,a Marisa...

Anônimo disse...

Se essa pessoa existe e você a conhece,pode ser considerado um amor platônico?
por favor dêem sua opnião.

Érika Freire disse...

Oi, Anônimo,tudo bem?
Bem, sim, em minha opinião, sim. Mesmo se você conhece a pessoa, mas não pode concretizar esse amor, então é platônico.