Páginas

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Drama de um cotidiano.

Ontem na minha querida folga fui no Consulado do Brasil no Porto pedir o atestado de antecedentes criminais que a empresa a qual trabalho lembrou-se que era necessário para a documentação estar completa. Enfim... uma distância de 53km e mais um pouco. De carro? Não. Peguei o comboio (trem). Uma seca!
Chegando lá, caos total. Muita gente. E muitos papéis pelas paredes. Um destes informativos dizia que a partir do dia 21 de setembro deste ano, o Consulado do Brasil não emitia mais os antecedentes criminais, e que o cidadão brasileiro teria que trazê-lo já impresso para o Consulado homolgar, e que isto teria um custo de 5 euros. Ah! Também informava que há 3 lan houses no shopping mais próximo.
Eu ri. Sim, eu ri. A cada dia que coloco lá os meus pés descubro que o Consulado faz menos tarefas.
Então eu tenho que me deslocar até uma lan house, entrar no site da Polícia Federal, colocar todos os números de documentos e imprimir...
Bem, o meu drama estava só no princípio.
O formulário pedia o CPF. Bem, o SEF (Serviços de Estrangeiros e Fronteiras) acede à página da Polícia Federal e vê os meus antecedentes criminais para aquisição do título de residência sem o CPF. Moro há 6 anos em Portugal, e não ando com o CPF. Apenas com passaporte e título de residência fora os documentos portugueses.
Um euro por 30 minutos mal utilizados foi à vida. Toca a ligar para o namorado que estava a trabalhar e pedir para que ele retornasse por favor a casa e me passasse o número do CPF. Enquanto isso tomei meu pequeno- almoço, com um delicioso croissant quentinho. Pensei, agora consigo!
Voltei na lan house, e paguei mais um euro. Toda contente a preencher o formulário, confirmo os dados, repito aquelas letras de segurança e: Não foi possível emitir o seu atestado de antecedentes criminais com os documentos fornecidos. Se dirija até uma repartição da Polícia Federal mais próxima. Isto não quer dizer que não haja o seu registro.
Endoidei!
Voltei no Consulado, e perguntei na recepção se havia acontecido com outros cidadãos e o que eu tinha que fazer. A atendente disse que eu tinha que pedir uma procuração para que alguém resolvesse meu caso no Brasil. Passou-me uma folha e uma senha com uma delicadeza que ouviu-se o bater da mão dela no balcão. Gentileza! Deu-me uma vontade de mandá-la pra...
Lá também haviam pessoas a querer autenticar o registro de casamento. Mas o Consulado também não dispõe mais deste serviço.
Tenho cara de palhaça?
Para descontrair caminhei devagar pelas ruas do Porto a respirar, depois sentei-me no Mc Donald´s para degustar um lanche rápido, mas sempre rondava a pergunta em minha mente: Tenho cara de palhaça?!
Volto para Braga sem o que queria, gastei dinheiro, gastei horas da minha folga, e voltei numa viagem de 1h e 15 minutos a dormir.

5 comentários:

Érika Pereira disse...

Então pelo jeito a burrocracia é em parecida com a nossa?

Liliam disse...

Eu não digo apenas burocracia, mas também falta de organização ou manobras para arrecadação de custos. Somos apenas peças de um xadrez, cada qual com o seu valor.

Jeff_Santos disse...

Bem vinda ao mundo dos cegos!
Toda a vez que tenho que ir tratar de algum documento seja no SEF, no CNAI ou no consulado é aquele drama. Vou te contar a ultima decidi tornar-me cidadão Português, claro que só resolvi isso depois de levar uma multa de 215 Euros, a minha autorização de residência caducou e tens que marcar por telefone, bom ela terminava em Agosto eu marquei em Julho, mas só consegui para Outubro, não adianta argumentar contra os factos não há argumentos. MULTA.
Voltando ao assunto, então precisei de um atestado, fui até ao site da Policia Federal e a mensagem é igual a tua, prontos o Sr. disse que eu tinha que fazer uma procuração 20 euros, alguém no Brasil resolve o pepino, manda a procuração para Portugal, dai eu volto ao consulado e pago mais 5 euros por um carimbo. É verdade também fui mudar a minha morada no consulado e para isso tive que alterar a carteirinha.
Bom esta foi engraçada, deram-me uma senha amarela, esperei 5, 10, 15 mints, nada. Até que veio um Sr. vulgo Serginho, veio ter comigo e disse; tem que sair desta fila e pedir a senha branca. Fiz isso quando chega o meu numero, dizem; carteirinha tem que ser senha amarela, BUM!!!!! Estourei, que palhaçada é esta, então eu tiro a senha amarela e o seu colega diz que é branca, chego aqui você diz que é amarela. Que é isso.!!!! Ânimos mais calmos disseram, ok, vamos fazer a carteirinha. Documentos ok, copias, ok, só um momento, Sr. Jefferson lamento mas o colega que faz a carteirinha esta ausente volte daqui a 1 hora. Pedi o nome do fulano fui ao balcão e conversei com aquela senhora nordestina, pedi para chamar a cônsul, fiz queixa dos funcionários ela disse que ela mesma fazia a minha carteirinha e eu disse; Minha Sra., depois disso eu nunca mais na minha vida quero ter o desprazer de olhar para as vossas caras, eu pago muito para a porcaria do vosso serviço.
E ela; o Sr. tem que compreender o Serginho foi tratar de documentos do consulado.
Eu; Ao invés dele ia você que esta ai sem nada para fazer.
Resumo da historia, fui embora sem nada resolvido.
Juro esta é a ultima, quando eu me casei no século passado fui registar o meu casamento no consulado, tudo isso pela módica quantia de 25 euros, tive que corrigir 3 vezes o registo porque continham erros de Português.
Fim, Liliam dizem que não podem emitir o registo de antecedentes porque no Brasil existem mais pessoas com os nossos nomes.

Érika Pereira disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
que bizarro!
Engraçado, Jé, mas eu sou capaz de ver essa cena. Você brigando com a mulherrrr!

Liliam Silva disse...

Eu fico puta da vida qdo ouço estas histórias... Há mt tempo não via estas confusões nos serviços do Consulado. Caraca cara a multa. Não vou deixar minha residência caducar não...
Eu até pensei em fazer queixa do Consulado, através de carta. Tenho que descobrir o endereço do órgão responsável pela gerência dos Consulados....