Páginas

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Matando a criatividade

Quem escreve sabe a dor que é quando a história está na cabeça e o papel está em branco. Comigo, por exemplo, trabalho com a realidade através do Jornalismo. Então, tudo fica mais fácil. A matéria sai muito que rapidamente. Confesso que não tenho problemas.

criatividade Agora, quando resolvo fazer ficção... É difícil começar algo do nada. Neste momento, por exemplo, há um documento do Word aberto me esperando. Ele foi criado já há algum tempo. Estou tentando desenvolver uma história mais grandiosa, me aventurando na ficção mesmo, porque que nem diz um amigo, “a realidade está foda!”

Mas o texto está travado. Acho que a ideia é boa, mas quem disse que consigo seguir em frente? Tem dias que vai uma folha. Outros, uma frase. É triste!

Até a forma narrativa me causa dúvidas. Comecei de um jeito, mas nem sei se vai ficar assim. Em conversa com um amigo, ele também concordou que o texto em primeira pessoa tem mais força. Empolga o leitor. Mas disse que para a minha história (essa que estou desenvolvendo) é melhor um narrador em terceira pessoa.

Chega a ser curioso. Eu tenho toda a história na cabeça, e sei aonde quero chegar. Já tenho um final, mas e aí?

Então, percebi que estou matando a criatividade. Na Pós-Graduação falaram bem disso. “A gente mata ideias boas dizendo que "tal coisa está ruim". Menosprezamos nossa imaginação. Está errado!

Acho que às vezes a ideia nem é tão genial, mas conforme você vai escrevendo, vai ganhando força.

Será que não é mais fácil utilizar a Escrita Rápida e não pensar em mais nada? Deixar rolar e ver aonde vai dar?

6 comentários:

Liliam disse...

Imagino como deve ser pra ti que trabalha nesta área e por vezes precisa entregar os trabalhos... Pois é mesmo isso, temos a idéia, algumas partes do texto formadas em mente de como seria engraçado ou cômico... mas pra sair...

malu disse...

Comigo funciona assim: vou deixando a história surgir dentro de mim, depois escrevo e pronto! Nem que seja para rever depois, o que pra mim é mais difícil que escrever. Tenho tendência a adiar tudo, a esperar a melhor hora, a melhor forma... então hoje meu conselho é: escreva. Na primeira, na terceira, na décima terceira pessoa...
beijoca.

Érika Freire disse...

Concordo Malu. Vou parar de ficar boicotando as ideias, parando para ver se tem coerência... no final eu vejo, diz ae?!

malu disse...

Exatamente! nada mais incoerente do que um texto não escrito...

Cecilia Nery disse...

Erika, é difícil mesmo fazer ficção. Eu também tenho o mesmo problema. Escrever a partir da realidade é bem mais fácil, agora criar uma história aí já é outra coisa. Não consigo me aventurar nisso, quem sabe um dia. Mas talvez o caminho seja a escrita criativa, já que você tem a história na cabeça, experimente colocar tudo no papel sem censura, depois deixa o texto por uns dias e volte a ele editando. Depois me conta o resultado. Beijos e boa sorte!
Ah, tá lindo o blog!

Dani Marino disse...

Érika, Barthes disse uma vez que os temas no mundo são limitados, mas a forma de contá-los é infinita. Você pode ter uma idéia que não acha tão boa, mas sua narrativa já provou ser muito boa. Você tem um estilo próprio qu efaz com que suas histórias sejam deliciosas. Não boicote sua imaginação. Se a realidade está foda, comece a variar a leitura.Se aventure no mundo da ficção. Você vai gostar.
;-)