Páginas

domingo, 6 de março de 2011

Respeito a individualidade e admiro o silêncio estrondoso
Preciso caminhar além da estrada para ter um destino incerto
Não importa se não quero chegar. Importa apenas quem vou encontrar no caminho
Nem tudo o que se faz na vida precisa ter sentido. Tem algo que se faz por nada e para nada
Tem algo que se gosta, apenas para desgostar do outro
Um dia a gente se nota e se percebe viva. E gosta do jeito, do cheiro e das cores
Gosta da teimosia e do falar desajeitado
Resolve aceitar aquela bagunça organizada. E gosta. Ama. Sente. Tudo.

Um comentário:

Malu disse...

Que bonito isso!
Fiquei curiosa para saber em que estado de espírito foi escrito...
beijo