Páginas

sexta-feira, 15 de julho de 2011

A gente se acostuma



A gente se acostuma assim, com um abraço meio folgado, com um bom dia mal dado e com o gosto insosso do entardecer.
Gosta de viver com o normal ligado, economizando dinheiro sem saber por quê. Caminha com o olho grudado no nada, planejando o passado e sonhando pesadelos. Não gosta da finitude das coisas, porque cá entre nós, recomeçar dá preguiça. Empurra o mundo pra trás para sentir o sabor do mofo.
A gente se acostuma com o nada e quando o tudo vem mal sabemos o que fazer com ele. A gente faz uma leitura das cenas e busca fundamentos ao invés de sentir. A gente se mostra para os outros e se esconde da gente. Quando o diferente chega, negamos a vontade de conhecer e repetimos vivências.
Coloca-se um status na cabeça e outro no coração, fazendo um desencontro de verdades e mentiras. Nem sabemos quem somos, mas decora-se o outro com plenitude e voracidade.
Por dentro, nos perdemos na escuridão enquanto lá fora só há holofotes nos cegando de quem realmente somos.

5 comentários:

CEM PALAVRAS disse...

Vou dormir melhor depois de ler algo tão lindo."a gente se mostra para os outros e se esconde da gente...nos perdemos na escuridão enquanto lá fora só há holofotes nos cegando de quem realmente somos."
Obrigada por dividir conosco texto tão bonito.
beijos

Malu disse...

Nossa, Érika, que forte, que bonito! Parabéns.
Espero que não haja nada de triste por trás de suas palavras.
beijo

Cecilia Nery disse...

Que lindo, Érika. Lindo e verdadeiro. Gostei! Bjs.

WANESSA ALVES disse...

Muito bom o post. Nos dias de hoje, muitas vezes pensamos de uma forma e vivemos de outra. Às vezes temos que desacelerar e ver o que estamos deixando para trás e o que estamos absorvendo.

; )

Artes e escritas disse...

Os holofotes distorcem a visão, bastante real. Gostei do seu blog. Um abraço, Yayá.