Páginas

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

No bar com ele

Lá vem o garçom. Enquanto isso, abre esse livro e lê esse poema pra mim. Finge que a cerveja acabou e tenta fazer poesia enquanto a gente espera. Lembra que amanhã nem é feriado, mas dá tempo de brincar de alguma coisa. Dá para fazer dobraduras com o guardanapo usado. Eu quero um barco, e você? Vamos planejar o Natal? Ou prefere ficar em silêncio? Eu aceito, mas enche o meu copo. Pode escolher qualquer coisa, hoje eu deixo. Mas seja sensato. Amanhã a gente corre na praia, pode ser? Aí queimamos tudo. Depois podemos escrever juntos, escrever em voz alta. Só por hoje, deixamos de lado as dúvidas, brindamos tristezas que energizam, acendemos um incenso, fingimos que não existe futuro. E então, tudo flui.

5 comentários:

Lufe disse...

Oi Erika,

Estes momentos de "dolce far niente" são tambem importantes em qualquer relação...Sem cobranças, sem compromisso, curtir intensamente o momento.
Penso assim...

bjo procê

Gabriella Mancini disse...

Nossa, foi um dos seus textos de que mais gostei.

Gabriella Mancini disse...

Feliz Natal pra vc também, querida. E um 2012 cheio de textos novos por aqui. Bjinhos

Fernando disse...

Devia haver menos garçons e mais garçonetes nos bares...

eva mooer disse...

O futuro sempre me remete a compromissos e preocupações, me tira do eixo, me coloca no chão. Quando tomo um copo de vinho, esqueço do amanhã e me delicio com o momento. Tudo realmente flui melhor com o gosto de liberdade.Acho que foi isso o que senti nesse seu texto muito gostoso de ler.beijokas