Páginas

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Um livro e um frio na barriga


Uma semana para o lançamento do meu primeiro livrinho. Que medo! Olha, tomara que as pessoas leiam. Tomara que elas gostem.

A ideia dessa história, da Firmina Dalva, eu tive no final de 2010. Queria brincar com minha gatinha de estimação e colocá-la como personagem. Foi divertido, pelo menos. Não terminou bem por um lado. Mas isso são aquelas coisas da vida que a gente é incapaz de compreender. Quando eu me sentir melhor, mais à vontade, quem sabe posso falar sobre isso.

Agora o meu desejo é que o sol esteja conosco no dia 12.

Até lá.
 

Os personagens principais: Zezinho, Firmina e Afonso

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Livro infantil “As aventuras de Firmina Dalva e seus amigos” será lançado no Dia das Crianças, no Fórum da Cidadania, em Santos


A curiosa relação de amizade entre uma gatinha dos olhos verdes, um canário amarelinho e um cãozinho da raça dachshund é o ponto de partida do livro “As aventuras de Firmina Dalva e seus amigos” (Comunnicar, 104 pp). Escrito pela jornalista Érika Freire e ilustrado por Nice Lopes, a obra conta com prefácio do escritor José Roberto Torero. 
O livro faz parte de projeto aprovado pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo (ProAC-ICMS) e conta com o patrocínio da empresa Usiminas.
Na história, a gatinha Firmina Dalva, que até então vivia na rua, tem a sorte de ser encontrada por um garotinho. Ela chega à casa da família Amores, onde é recebida por Julinha, uma menina de 11 anos, apaixonada por gatos.
Firmina passa a ser a nova integrante da família e ganha dois novos amigos: Zezinho, um canário amarelinho e muito falante, e Afonso Tadeu, um cachorro muito esperto, mas cheio de receios. Juntos, eles e uma turma vão se aventurar para ajudar um de seus amigos que some misteriosamente.
Além de levar o leitor para uma aventura curiosa, a narrativa trata da importância da amizade, do medo do desconhecido e do respeito às diferenças.

O lançamento oficial do livro será no dia 12 de outubro, a partir das 15 horas, no Fórum da Cidadania e Cultura de Santos (Avenida Ana Costa, nº 340). 

Sobre o projeto

O livro é o principal produto do projeto também intitulado “As aventuras de Firmina Dalva e seus amigos”, cujo objetivo é aproximar as crianças da literatura. Parte dos exemplares será distribuída em escolas e bibliotecas públicas da Baixada Santista. Haverá, ainda, apresentações com marionetes dos personagens do livro e capacitação de contação de história para professores da rede pública. A realização é do Instituto Artefato Cultural.

Sobre a autora - Érika Freire mora em Santos, é jornalista e pós-graduada em Jornalismo Literário. “As aventuras de Firmina Dalva e seus amigos” é o seu primeiro livro infantil. Tem contos e crônicas publicados em coletâneas, como Cronicidades, Vidas e Momento do autor. Adora gatos e foi isso que a motivou a escrever essa história para sua gatinha de verdade, Firmina Dalva.

Sobre a ilustradora - Nice Lopes desenha desde criança. É ilustradora, artista plástica e publicitária. Tem ilustrações publicadas na Revista Claudia, da Editora Abril, no jornal nova-iorquino The Wall Street Journal e em dois grandes livros de ilustração: Illustration Now!2 e Illustration Now Portraits, ambos da Editora Taschen. Já desenhou estampas para a grife infanto-juvenil Bicho Comeu.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Ajude a escolher a capa do novo livro de contos

Como já havia dito no post de 28 de julho, o Concurso Literário 2012, promovido pela Elaine Gaspareto, do blog Um pouco de mim, em parceria com a editora Digitexto, já divulgou a lista de selecionados. Agora ela abriu a votação para a escolha da capa. Gosto muito desse jeito democrático com que a Elaine administra os concursos que faz.

Eu gostei muito da capa número 1, que é esta aqui:
Vote lá! É bem rapidinho.
Beijos!

domingo, 29 de julho de 2012

Ele todo entediado em mim


Mora aqui dentro desde aquela noite de lua sorridente enquanto os carros emudeceram assim que bati os olhos em suas mãos. Tudo assim mesmo rápido e sem vírgulas porque a vida corre desmedida. É só virar os olhos e as cenas não nos pertencem mais. Virou na rua escura em passos lentos como se não tivesse pressa. Enquanto eu corria dentro da minha cabeça. Antecipava uns futuros com pouca grana, mas com muitos copos e brindes. E tinha a sensação de que ele queria viver da mesma forma. Devagar e sem planos ousados porque só o agora é real.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Concurso Literário 2012

E foi divulgada a lista do Concurso Literário 2012 promovido pela Elaine Gaspareto, do blog Um pouco de mim, em parceria com a editora Digitexto.




Meu texto “Verbos inacabados” está entre os 25 selecionados. Veja a lista:

A carta- Jaci, do blog Uma Pandora e sua caixa

A mania passadista- Cynthia Le Bourlegat do blog Fala, mãe!

A mensagem- Elizete- do blog Sotão, porão e outros cômodos secretos

A refazenda- Antonio Fernando Sodré Júnior

A vida começa todos os dias- Gislaine Godoy

As vozes que me assombram- Amanda D’Andrea Löwenhaupt do blog - Vivendo Entre Livros

Carlos- Alice dias- do blog Sozinha no almoço

Ecos do passado- Amanda D’Andrea Löwenhaupt do blog Vivendo Entre Livros

Escrevo sobre o que me assombra - Soraia Cristina Weidman Baltruk

Escrevo sobre o que me assombra - Iram Matias do blog Duas vidas, dois amores

Esquecimento- Aline Mendes Gomes do blog Caminho de memórias

Fraquezas do coração- Guilherme ViniciusTorrano

Ilusão desiludida- Dilma Leite Schmitz

Malandrinha- Cosmo de Athanázio

Minha mãe especial- Clara Lúcia, do blog Simples e clara

Não foi dessa vez, querido poeta- Aleska Lemos, do blog Diários de bordo

O aniversário- Angelo Miranda do blog: www.geopraticando.blogspot.com

O bilhete na Bíblia- Sônia Regina Rocha Rodrigues, do blog Alegria de ler

O caderno e a caneta em minhas mãos- Joice Andressa Tiegs Lourenço do blogwww.oreinodebetra.blogspot.com

O ninho da Cambaxirra- Jo Turqueza, do blog Turquezza Variedade

O sabor do nada- Rodolpho Padovani do blog: http://aartedeumsorriso.blogspot.com.br/

Os olhos da minha vida- Izabela de Melo Santos da Silva, do blog Entre a nostalgia e a utopia

Preguiça urbana- Dona Gam do blog Gam Dolls

Ritinha- Clara Lúcia do blog Simples e clara

Sonhos que me acompanham- Sônia Amorim do blog Universo paralelo

Verbos inacabados- Érika Freire, do blog Narrativas e divagações


Obrigada pela força, Deuses da literatura!

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Minha experiência com o CouchSurfing



Não sou do tipo mochileira e nem das melhores adeptas a aventuras tresloucadas. Por isso, quando o João me falou do CouchSurfing, torci o nariz. Achei a idéia meio estranha e fiquei pensando que motivo alguém teria para me receber em sua casa sem ganhar nada em troca? É claro que hospedar um gringo, por exemplo, pode ter lá suas vantagens, como treinar o idioma, só para citar uma.

Vou tentar resumir o que é o CouchSurfing: é uma maneira diferente de viajar e fazer amigos. Você se cadastra no site, que atualmente tem mais de 3 milhões de usuários do mundo todo, e começa a trocar informações. “É uma espécie de intercâmbio entre viajantes”, como definiu bem uma jornalista.

Então, você pode receber alguém em sua casa para passar alguns dias, ou ser recebido também. Como podemos notar, o conceito do CouchSurfing é uma espécie de “sociedade alternativa” onde se acredita que devemos resgatar valores um tanto perdidos nesse mundo pós-moderno.

Voltando: havíamos planejado visitar Curitiba neste último feriado (Corpus Christi). O João passou a usar o CouchSurfing desenfreadamente pedindo hospedagem através do site. Não demorou e minhas dúvidas iniciais sobre a comunidade começaram a apresentar os primeiros sintomas.

“Não sei se vou estar aqui no feriado”, “Não posso hospedar, mas vou ver com um amigo”, “Ainda não sei. Quando tiver mais perto, manda outro pedido”.

Logo, concluí que a maior parte deveria estar ali em busca de “ser hospedado” e “nunca hospedar”. O melhor foi garantir um hotel para não dormirmos na rua. E foi o que fizemos. E ele continuou tentando e eu boicotando e deixando-o meio P.

Até que nos 45 do segundo tempo, um usuário do CS respondeu positivamente, dizendo que estaria disponível no feriado e que poderia nos hospedar. Fiquei tão insegura que quase cancelei tudo. Já estava tranqüila por pensar que ficaria em hotel e de repente me vejo dentro do CS.

O fato é que quem quer buscar novas experiências, tem que se arriscar um tantinho, não é mesmo? E confiar no outro é algo tão belo e profundo, por que não fazer de vez em quando? Foi o que fizemos. Combinamos com nosso host de nos encontramos em um shopping de Curitiba e, gente, agora posso dizer que é inevitável os diversos pensamentos que surgem em nossas cabeças, tanto na do “host”, como na de quem será o “guest”: “E se for um mala?”, E se for um psicopata?”, “Será que vou conseguir dormir de verdade...?”.

No horário combinado, conhecemos o Rafhael, nosso host, e a empatia foi imediata. Cada um contou um pouquinho sobre o que fazia da vida e logo estávamos dando risadas juntos e planejando os lugares que iríamos nos próximos dias.

Depois do almoço fomos passear no centro histórico da cidade e encontramos mais uma amiga, a Daiana. E logo todos estavam no bar bebendo cerveja. Sempre digo que sentar com alguém para beber cerveja em um bar é algo muito íntimo e isso mostra o quanto estávamos à vontade um com o outro.

Daí em diante eu posso dizer que tudo foi incrível e muito natural. Já disse ao Rafhael que essa foi minha primeira experiência com o CS e que duvido que eu tenha uma melhor. Isso porque ele nos acolheu tão bem e foi muito, mas muito solícito mesmo. Nos acompanhou em tudo e é daquele tipo de amigo que está sempre disposto e com vontade de fazer algo de bacana. Não é o máximo gente assim?

Gostei muito da cidade, mas juro que o que mais gostei foram as pessoas que conheci. Isso certamente ficará pra sempre registrado aqui dentro.

Não sei se voltarei a usar o CS, talvez sim. Mas essa primeira experiência eu precisava registrar aqui.

Algumas fotos do passeio:


Museu Oscar Niemeyer

Universidade do Paraná

Olho - MON

MON

FireFox Bar, porque cerveja é vida!

Jardim Botânico

Esses guris são muito firmê!

E, claro, tem que ter a foto clichê. Bar do Alemão.



quinta-feira, 19 de abril de 2012

O que sobrou de um texto inútil


Tenho pensado nas noites vazias onde costumo delinear no pensamento a vida que não tenho. Ou que tenho e não sei interpretar, reinventar como fazem os corajosos. Sabe, tem gente que vai e faz acontecer, um abraço um oi mais atrevido ou a cafonice de um beijo roubado. Quer saber, feliz de quem consegue ser brega. Quem pega uma carona na ousadia dos amores antigos.

De tanta punição e rigidez, mora em mim um louco pregador que diariamente me rouba de mim, de quem quero ser. De sair correndo para o lugar que mais desejo e sentar na calçada onde vivem umas alegrias meio bobas e sem sentido, mas que são as verdadeiras alegrias.

Essa névoa gelada foi subindo, alcançou meu joelho, cintura, peito e logo me cobriu por inteira. E no mundo só há uma mão capaz de me puxar e ela está bem longe. Enquanto não vem, tento sobreviver com umas frases fora de órbita e que não dizem mais nada. Tem uma hora que isso deve acabar e, quando esses alívios chegarem, talvez seja tarde demais para desenhar uma nova história.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Coletivo Futuráfrica coloca Santos na rota do movimento musical Global Ghetto Tech

Os Djs Rüstico, da Argentina, e axe.l, da Alemanha, são os destaques da festa “Bass me Mucho”, que acontece neste sábado (10/3) na Base Arte Cultura

Por Alessandro Padin
O DJ argentino, Rüstico

Consolidado como um dos destaques da cena cultural de Santos, o Coletivo Futuráfrica – Afrobrazilian Grooves colocou a cidade definitivamente no circuito mundial do movimento musical Global Gheto Tech. Prova disso é a festa “Bass me Mucho”, que acontece neste sábado (10/3), a partir das 23 horas, na Casa Noturna Base Arte Cultura, com a presença do DJs Rüstico, da Argentina, e axe.l, da Alemanha.

Os dois são destaques do movimento Global Ghetto Tech, formado por ritmos que nasceram do acesso que vários artistas de locais periféricos e guetos mundiais tiveram a tecnologia, traduzindo a cultura local por meio de produções musicais eletrônicas. A noite conta, também, com os Djs e MCs da Futurátrica, acompanhados, pela primeira vez, pelo VJ Colante.



O DJ Lufer é um dos divulgadores do Global Ghetto Tech
 

Grupo pioneiro do Sound System (discotecagem com acompanhamento vocal e instrumental) no Litoral Paulista, o coletivo realiza festas reunindo várias matizes da música e arte negra. Já passaram projeto do Futuráfrica artistas como Marechal, Lurdes da Luz, Maga Bo e Digital Dubs. O objetivo, segundo um dos idealizadores do projeto, o Dj Luiz Dias, o Lufer, é o de trazer uma nova proposta para a noite santista, tendo a música como o carro chefe.



 O Dj alemão Axe.l vem mostrar o que é o estilo Globetrotting
 
Influência brasileira - Sebastián Chavarri, o DJ Rüstico, nasceu em Buenos Aires, na Argentina, mas começou a carreira em 2001 em Madrid, Espanha. Entre 2002 e 2004, morou na Bahia, onde sofreu forte influência de ritmos como o Forró, Maracatú e Samba. Atualmente vive em Mendoza, aperfeiçoando o seu estilo que costuma chamar de "Planet Beats", com altas doses de Latin Beats, AfroBrazilian, Balkan combinados como Cumbia Digital, Moombahton, B-More, Hip Hop e Global Bass.


Tem percorrido o Brasil nas principais festas do circuito de World Beats do mundo como Sambacana Grooves y Explode, em São Paulo, e o Babeleska, na Bélgica. Faz parte, ainda, do duo "The Pobretons" junto com Freak Castro, com trabalhos editados pelo selo novaiorquino Subatomic Sound.

O DJ alemão axe.l, do selo germânico Globalibre, é um dos primeiros do estilo Globetrotting e, atualmente, tem experimentado um novo ritmo, o Moombahton, que começa a fazer sucesso em pistas de dança do mundo todo.


Serviço

Festa "BASS ME MUCHO"

Dia : 10 de março

Horário : 23 horas


Local : BASE ARTE CULTURA - Rua da Constituição 415 - Santos - SP

Valor : nome na lista 10 reais para o email futurafrica@gmail.com

porta 15 reais.

Organização : Coletivo Futurafrica & BASE


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O que ela tem feito


Tem se jogado nas palavras, buscando frases aleatórias nos textos alheios. Dirigido para se acostumar com as marchas, aprendendo a subir montanhas. Jogado dominó e rindo do suicídio social que vem cometendo. Andado por bares para encontrar sorrisos, lendo o mundo com os olhos de ontem.


Tem ouvido blues nas tardes chuvosas, feito café em demasia e se exercitado com freqüência. Procurado histórias para contar para si. E tem se lembrado da importância de renovar votos. Buscado coisas simples no meio do caos. Procurando mil tarefas ao mesmo tempo.

Esses dias questionaram suas escolhas e ela ficou pensando com sorrisos na mente. Tinha feito tudo certo e isso lhe trazia tranqüilidade. E traz porque ela ainda busca. Tentaram negá-la e não permitiu. Tem escolhido roupas que deixou pra trás e recuperado livros esquecidos.

Há sonhos que se aquietaram e achou melhor assim. Tem mudado de canal e de estação. Buscado o frio no meio do verão. Tem escolhido a poesia para renovar a prosa. Sentido mais esperança. Compartilhado mais o seu pensamento.

Tem buscando quem se soltou de sua mão. E tentado sentir menos vergonha. Caminhado por avenidas solitárias. Escrevendo em mesas de bares, reencontrando idéias e camisas da cor azul que ficaram perdidas. Tem sido dura, cruel e dócil. Tem misturado vivências e é assim que deve ser.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Griô do Asfalto - Oficina de escrita criativa

"Contar uma história tem um começo e um fim. Amanhã, colocarei a minha novamente no baú, seguindo a tradição africana dos Griôs", Viviane de Almeida. 




Griô do Asfalto

Oficina gratuita de escrita criativa com Viviane de Almeida

28 de janeiro de 2012

16 horas

Sesc Santos 

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Notas literárias

Perguntaram a Antônio Xerxenesky (escritor, 27 anos, autor de Areia nos dentes) na edição de janeiro do jornal Rascunho: Qual o maior inimigo de um escritor? E ele respondeu:

A procrastinação. Tudo aquilo que fazemos para não escrever, bobagens com as quais perdemos um bom tempo. Exemplos? O Facebook, o Twitter, o Gmail. O convite dos amigos para sair na sexta, no sábado, no domingo, na terça, na quinta. Angry Birds. A pia cheia de louça suja.

Na mesma edição, o escritor José Castello disse em sua coluna: Não existimos sem ficção. Arrisco-me a dizer mais: somos filhos da ficção. Todo o trabalho do amadurecimento humano é a construção de uma identidade ficcional, sob a qual nós nos sustentamos para atravessar o deserto da existência.

E aqui, um curta belíssimo sobre livros e que está concorrendo ao Oscar 2012 como melhor curta-metragem de animação: “The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmor” http://player.vimeo.com/video/35404908