Páginas

sábado, 22 de junho de 2013

Elena



Acabei de ver Elena. É lindo. A arte mexe, machuca e para quem se identifica da forma que Elena se identificava certamente daria em algo doentio.

O documentário conta a história da irmã da diretora, Petra Costa, Elena, que sonha em ser atriz e viaja para Nova Iorque para estudar e tentar tornar o sonho realidade. Por aqui ainda, ainda o período militar, o que tornava o sonho quase que impossível. Vinte anos depois, Petra viaja para encontrar a irmã e conta com pequenas pistas que a levam a um fato pouco feliz. Para Elena, se a arte não estivesse em sua vida, não valeria a pena viver. E essa desilusão com as coisas que não dão certo tornam seu caminho tortuoso, suicida.

Gostei muito do jeito que o filme foi feito, a narração deu um tom ainda mais sensível...  Petra, cumpriu bem com a “homenagem” à irmã e se mostrou muito talentosa ao dirigir seu primeiro longa.

A história tinha tudo para arrancar lágrimas, mas isso não ocorre. Concordo com a escritora Ivana Arruda Leite: “Hoje fui ver Elena preparada pra morrer de chorar. Acreditem, não tive nem o mais leve nó na garganta. Nem de longe. O filme é lindo. Um poema de imagens, palavras e cores. Mas é um filme doente sobre mulheres doentes. E a loucura não me emociona."

Vale sim a pena ver o filme que se difere bastante do que tem sido feito no cinema nacional recentemente. Se bem que "Insolação" está bem no topo. Bom mesmo.

Que Petra viva e muito para fazer mais obras de arte como “Elena”.

Corre lá no Espaço Unibanco (atual Miramar Cinemas) que logo deve sair de cartaz. Todos os dias, às 18 horas.

Nenhum comentário: