Páginas

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Perdas


Perdi o que se passou contigo, me perdi de você depois de uma conversa desconexa. Te perdi. Para o tempo e sobre o tempo. Me perdi em você. Que não se perdeu, não se desprendeu. Daquilo que não te agrada, mas que tem que ficar. Ficar como punição para adiar o amor. Não haverá fotografias, nem cartas para contar os planos. E que planos? Não dá certo. Mesmo se combina. Mesmo que se queira. Não dá certo. Não teve música. Nem despedida, porque ninguém consegue admitir que não dá para viver agora. Por que é tão difícil romper? Quem é capaz de esperar? Que a vida resolva por nós. Aqui, fracos, se conformando com os fracassos dos amores de verão.  

Nenhum comentário: