Páginas

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

A culpa é de Sarturno

2013 foi um ano difícil, lento, chato, triste, quase sem objetivos e, os poucos, não deram certo. Preguiça foi a palavra de ordem. Aliás, estou com uma preguiça enorme de escrever esse texto. Usei muito do meu tempo livre para ficar deitada assistindo a seriados, o que foi muito bom, porque eu vi séries incríveis, como Breaking Bad, por exemplo, só para citar a que eu mais gostei. American Horror Story e Twin Peaks, graças ao Netflix, minha melhor aquisição do ano. Eu li pouco e escrevi menos ainda. Mas... fui a muitos shows importantes: Incubus,  Pearl Jam , Criolo, Lana Del Rey, Blur, Palma Violets, Stevie Wonder... este último, por causa de Saturno, assisti deitada porque já estava com preguiça. Foi bom, porque prestei atenção, ainda mais, e pude sentir cada canção.

Tive muito sono durante todo o ano, por duas vezes, dormi praticamente o dia todo. A culpa foi de Saturno. Eu tive muitas ideias e não coloquei em prática nenhuma. Viajei muito a trabalho e gostei desses momentos de reflexão pela estrada.

Não, eu nunca fui ligada em Astrologia e não entendo nada sobre o tema, mas eu sei que a culpa foi de Saturno, porque nesses encontros de confraternização de fim de ano, que por sinal eu adoro, cheguei a comentar com duas amigas: eu tive um ano difícil e, as duas, em momentos diferentes, foram categóricas: sim, para quase todo mundo, por causa de Saturno...

Se você não fez quase nada de importante e sentiu muita preguiça, parecia que a vida estava emperrada, agora já sabe que a culpa foi de Saturno. Deus do céu, por favor, não deixe que Saturno nos reja novamente! É meu pedido de Ano Novo. Dizem por aí que 2014 será um ano muito bom, tranquilo e de alegrias. Pois eu já tenho certeza, porque um ano pior do que 2013 eu duvido.

De acordo com os especialistas, "Saturno representa também as nossas defesas psicológicas, nosso carma, o nó que devemos desatar em nossas vidas materiais e emocionais. Quando Saturno influencia nossas vidas, nossos medos são desencadeados e não temos outra saída a não ser enfrentá-los. Nossas ambições também são representadas por esse planeta, assim como nossa capacidade de, lentamente, através de muito trabalho, construirmos, tijolo por tijolo, responsavelmente, nossa história de vida".

E mais: “Quando estamos sob a influência de Saturno, nos sentimos contraídos, fechados e até mesmo um pouco deprimidos. Estaremos sempre mais sérios e de certa forma introspectivos e reflexivos. Precisamos sempre tomar cuidado com o pessimismo que podemos instalar em nossos corações. Não será um ano de resultados fáceis e nem um ano leve, no que se relaciona ao trabalho que devemos desempenhar, mas certamente, aos que se entregarem com coragem e determinação, os resultados serão os melhores possíveis. O princípio da forma estará presente e todos trabalharão duramente para atingir nossos objetivos.”

Tive momentos maravilhosos, como não poderia deixar de ser. Conheci pessoas importantes, que mudaram um tanto, o rumo da minha vida, dos meus sentimentos, da minha maneira de pensar. O tipo de gente que eu torço para permanecer por perto, seja lá qual for o tipo de relação...

Em 2014 quem comanda tudo é o senhor Júpiter, o que dizem dele? "Este será um ano que favorecerá mudanças e quebra de paradigmas. Se deseja libertar-se de algo que lhe causa algum tipo de tensão, 2014 será bem favorável. Também é um ano positivo para ganhar dinheiro, fazer bons negócios. 2014 tem tudo para ser bem melhor que 2013. Quem teve um ano ruim, anime-se, vem aí um grande ano, deixe o otimismo de Júpiter, o pensamento positivo tomar conta de você”.

Saturno, nada contra, mas não volte... e se voltar, seja leve, seja breve. Traga, pelo menos, energia, ação. E como será quando for Marte? Que o vermelho inunde tudo, que influencie paixões e inspirações para quem cria.  


sábado, 21 de dezembro de 2013

Noite fantasia


Foi quando ela se descobriu. Nua dançando na chuva, na rua quase deserta com demônios escondidos atrás de árvores. Ela sabia que havia enganos, gente disfarçada de coração gigante. Pulando corda como quem brinca no parque, se fazendo notar. Ela, toda soberana, se derreteu. Saiu colhendo seus pedaços enquanto lágrimas escorriam. Ela corria enquanto o vento noroeste soprava forte. Os carros buzinavam. Ela nem notou, mas já era dia, logo também já era noite. Ainda bem, ela pensou, era um sonho, aquilo de dançar sem roupa. Que pena... ainda não havia enlouquecido.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

O que eu desejo é pouco


Não sei se vou de trem ou se pego um avião para determinado trecho... o legal do trem serão as paisagens pelo caminho. Estou planejando uma viagem e posso dizer que burocraticamente ela tem passagens de ida e volta. Mas no coração existe o desejo de ser só ida. Ficar por lá mesmo, alugar um quarto bem pequeno, colocar uma escrivaninha bem no canto e arrumar um emprego com a menor responsabilidade possível. Pode ser em um café, parisiense

Chegar em casa ainda na parte da tarde e tomar uma xícara de chá enquanto olho a janela e a chuva que cai desmedida. Quem sabe no domingo eu me aventure na cozinha, enquanto escuto uma música velha. Ainda existe aquele sonho do café da manhã com Billie Holiday... e a ida ao supermercado, de mãos dadas. Mas, por enquanto, tudo isso será adiado mais uma vez. Até que meu coração se abra novamente. Talvez ele não se abra. Talvez ele use máscaras. Talvez ele não acredite no impossível. O impossível ainda não existe. Talvez ele duvide das juras de amor.

Quem sabe alugo por três dias um conversível vermelho que me levará pelas estradas mais solitárias. Com lenço florido no cabelo e o vento desarrumando tudo. Tudo são sonhos, desleais, e a gente finge que, quem sabe um dia, tudo que o que desejamos possa finalmente acontecer.