Páginas

sábado, 14 de junho de 2014

O que "Into the wild" deixa

Também quero sair por aí, como Christopher.
Eu fico o tempo todo pensando no meu próximo destino. Ainda mais agora com essa onda de se tornar um nômade digital e morar a cada dois meses em um lugar diferente. Sonho. Para alguns já é realidade. Enquanto a coragem deles não me acomete. Eu sigo planejando.
É que a coisa piora quando você lê histórias de “quem largou tudo para viajar o mundo”. Elas pipocam na minha timeline. Só pode ser perseguição. Aí sem querer você assiste a um filme também sobre isso, Into the wild.

Muitas das inquietudes daquele jovem são as mesmas que as minhas e de alguns amigos meus também. Talvez a “geração” anterior soubesse lidar melhor com as regras e não se sentissem tão aprisionados como nos sentimos atualmente. Cada dia é como se fosse mais um dia perdido, um dia em que eu não vivi por não ter feito exatamente aquilo que eu queria.
A culpa é do capitalismo? O personagem tem certeza disso. Além de saber exatamente sobre a vida que seus pais vivem e que tentam levá-lo para também.
Já na estrada, conversando com uma das pessoas que ele encontra pelo caminho, esse alguém pergunta:
- E seus pais?
- Estão vivendo suas mentiras.
A resposta é dura. E tudo que é verdade dói mesmo. 

O personagem existiu, de fato. Christopher McCandless, nasceu na Califórnia em 1968, na cidade de El Segundo. “Um viajante americano”, descreve em dos sites... Da sua vida, originou-se o livro, Into the Wild, escrito pelo jornalista Jon Krakauer e também o filme, dirigido por Sean Penn, em 2007.
Ah, a trilha sonora... Combina com tudo, deixando o filme ainda mais envolvente. É a busca do jovem que quer fazer algo a mais, valorizando as coisas mais banais da vida. Dando as costas para a família e para o dinheiro. É um tapa na cara.
“Você pensa que você tem que querer mais do que precisa. Até você ter isso tudo, você não estará livre”, Eddie Vedder enfatiza na trilha sonora.

Várias cenas e momentos preciosos, mas esse pequeno diálogo para mim foi um tremendo aprendizado:





Nenhum comentário: