Páginas

terça-feira, 12 de maio de 2015

Você não pediu, mas a vida te joga nos braços do desconhecido.
Aquele que vivia se vendendo pra você, dizendo coisas banais do tipo água mole pedra dura...
Num piscar de olhos, uma onda te empurra, te obriga a viver algo novo. Não era uma escolha. Até porque, pela teimosia, teria ficado parada, por horas, anos, naquela página. Sou assim, leio o mesmo poema para sorrir sempre. Paro em cafés, sozinha para te relembrar.
Viver algo inesperado e quase que não-desejado é reforçar a importância do outro. É relembrar que aquela doçura mais ninguém poderia ter, mesmo. O cuidado em fazer as coisas, o toque firme que diz tudo no tom certo.
Eu nem sei pra onde estou indo. Talvez esteja apenas reafirmando meu eterno sentimento. Parece até que te amo.


Nenhum comentário: