Páginas

domingo, 25 de outubro de 2015

A garota no trem, Paula Hawkins


Amando esse livro... comprei ontem e não consigo largar!

A garota no trem, Paula Hawkins

"Perdi o controle sobre tudo, até sobre os lugares dentro da minha cabeça"

"Escrever é um refúgio extraordinário para encontrar a paz, a calma, em momentos de grande desassossego, de incertezas", Mario Vargas Llosa.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Na vida a gente precisa mesmo é de ousadia. E uma certa cara de pau.
Que nem o moço da Vivo
Já estava me levantando quando ele finalizou o atendimento
Ele se apressou e disse
Assim que se celular for habilitado, a Vivo vai te ligar para avaliar meu atendimento
Se você puder me dar um 10, eu te agradeço

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

"Vivemos em bares
E dançamos nas mesas
Hotéis, trens e navios pelo mar"

Amo bares porque ali todo mundo é igual
Saciamos afetos, dividimos dias difíceis
Recordamos o passado
Aquela adolescência com paixão pelo vizinho
E rimos disso
Essa leveza é necessária
Porque eu enlouqueço semanalmente

domingo, 18 de outubro de 2015

A culpa é do complexo B


Não que eu seja hipocondríaca, mas eu gosto de tomar uns remedinhos. Desde os 22 frequento o cardiologista pelo menos 1 vez ao ano e. O médico é um argentino que nunca me dá ‘alta’, e que fica pedindo um exame atrás do outro para confirmar se de fato aquelas pontadas não vão me enfartar a qualquer momento. Preciso me manter atenta para compreender o que ele diz. Hum, ok meu colesterol está perfeito
Na última consulta, no ínio deste ano, minha queixa era desânimo... tô com desânimo, uma preguiiiiçaa, um sono que não tem fim. A tireoide continua a mesma, seu metabolismo é lerdo. Afinal, porque parou de tomar o euthyrox, mocinha? É... eu sei que errei...
Bem, vai ter que voltar a tomar. E junto dessa receita veio mais uma para Complexo B. Você toma um por dia, depois do café. Beleza.
E assim foi, vida que segue. Não reparei mais em desânimos, ou pelo menos não tive mais nenhum dia muito complicado, daqueles que eu mesma me questionava se já não estava morta na cama. Apenas esperando o serviço funerário chegar para recolher tudo.
Só que eu sou dessas de parar. Eu paro de tomar remédios. Do nada, me dou alta.
Semana passada uma nuvem esquisita. A praia estava nublada, muitos turistas e praticamente não tinha espaço para mim. Escolhi a ciclovia, não funcionou. Tudo estava cheio, fiquei irritada. Depois fiquei deprê. Vim pra casa, não sem antes trazer um pacote de coxinhas do Ragazzo. Que se foda essa coisa toda de ficar magra, seca. Que se foda.
Só de raiva fiz brigadeiro e me joguei no sofá com Netflix. Melhorou um pouco.
No dia seguinte. Ódio. Um ódio... era a tpm? Podia ser, mas era algo a mais, muito mais forte. E a semana seguiu com delírios até finalmente um surto psicótico pela madrugada do dia... sei lá que dia.
Na manhã seguinte, eu buscava respostas. Poxa vida, eu andava tão bem... eu já estava conformada com as coisas que não deram certo nos últimos meses. Tinha momentos de alegria constantes, ficava chateada de vez em quando. Tudo dentro da normalidade. Apesar que perguntas do tipo ‘e o próximo feriado, heim?’, ainda me irritavam fortemente.
Cheguei em casa à noite, olhei pra estante cheias de xícaras de café esquecidas e vi o frasco do Complexo B. Meu Deus... era isso. 

As pilulazinhas de Complexo B fazem isso por nós, seres humanos lunáticos e sobreviventes:

"As vitaminas do complexo B são responsáveis pela manutenção do cérebro, estômago, intestino e pele. São as maiores responsáveis pela manutenção da saúde emocional e mental do ser humano. Essas vitaminas ajudam você a pensar melhor, ter mais disposição, ânimo e força para as lutas do dia a dia"

Hum, não sei viu. Mas acho que agora vai. 

sábado, 17 de outubro de 2015


Todo mundo que passa por nós, deixa um pouco de vida. Pode ser uma história pela metade.
Uma noite escondida pelas folhas de bananeiras. Era arrepio, era excitante. Quando pessoas se vão, fica uma música, qualquer coisa assim que vai completando a vida.
Tem gente que vem pra bagunçar tudo. Tem gente que chega e a gente nem entende o porquê.
Tem aquelas que só esbarram, causando uma raiva passageira.
Ainda é complicado conviver com quem foi embora, mas permanece. Vive meu dia junto comigo, deita na cama gelada. Saboreia a ceia de Natal enquanto dou um gole no vinho. Tem dias de escuridão, nem a Cat salva.

Mesmo sem compreender tantas lacunas, agradeço cada registro. Eu não teria descoberto aquela cantora de voz forte. Não teria me deparado com Warpaint enquanto escrevia de madrugada. Não teria encontrado tantas verdades.    

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Vem logo, porque tá osso!

Quase que diariamente, eu pergunto... por que a vida separou tanto essa história?
Essa nossa história que teria dado tanto certo, eu sei que sim.
Pare de colocar a culpa nos atrasos. Só o hoje basta. A gente só precisa de mais coragem, menos fricote.
A gente precisa se ficar mais, um no outro. Sem receio do futuro. Sentindo nossos cheiros.
Queria te pedir uma coisa bem séria. Para de ficar falando de horas. De tempo que corre. Sempre sei quando já está tarde, mas quer saber? Eu não estou nem aí.
Eu também acordo cedo, trabalho como todo mundo. Mas não tenho coragem de terminar conversas. Não sou dessas de encerrar. Pelo contrário, sempre me falta mais de ti. Você sempre sai me deixando em vazios.
Você nunca é suficiente. Vem, deixa um rastro e se não corro ele some sem deixar pistas. E eu sofro quase sempre calada, quase sempre sem poder compartilhar o quanto ainda dói. Mas essa coisa de você ficar só na metade não está legal. Não tem que ser apenas quando você quer, quando pode.
De preferência. A mim.
Você me chama de convencida, eu sei.
Mas eu costumo trazer entardeceres. Dedicação e dedicatórias... Poemas.
Quem mais poderia te eternizar em palavras? Precisa de sentimento pra isso.
Acredite no meu.

Ao som de: